• Pontaria Novo Governo
  • Fatos & Notícias
  • BOLETOS ON-LINE
  • app do sindeprestem
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

10/05/2019 | Nova projeção oficial do PIB deve ampliar contingenciamento - Valor Econômico

O governo vai mais uma vez reduzir sua projeção de crescimento econômico para 2019, o que deve forçar a equipe econômica a promover novo corte de gastos. Os cálculos ainda estão sendo finalizados, mas o viés em relação aos 2,2% projetados no relatório de março é de baixa.

Nos bastidores da área econômica, o número atual de expansão do PIB está alinhado com o mercado: em torno de 1,5%. Com menor crescimento do país, as projeções para as receitas são afetadas negativamente. O quadro é complicado para o governo, já que o corte de quase R$ 30 bilhões do primeiro bimestre já deixou a máquina pública "no osso", com sérias dificuldades de gerenciamento sendo vislumbradas, em especial para o segundo semestre.

Alguns setores têm risco de paralisia já a partir de julho, segundo interlocutores do governo. "Algumas despesas que eram vistas como intocáveis provavelmente terão que ser contingenciadas", comentou uma fonte ao Valor. Os cortes do primeiro relatório fizeram um grande estrago nos orçamentos da Educação (em especial das universidades), Defesa e Infraestrutura, entre outros, considerando-se valores nominais. 

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, confirmou que o governo deve anunciar um bloqueio adicional de gastos no relatório bimestral a ser divulgado no próximo dia 22. Ele disse que o país está em "situação bastante específica" e requer zelo em várias perspectivas, passando por União, Estados e municípios. "O entes federados estão em dificuldade financeira, inclusive a União. Isso tem impacto sobre a receita, em particular a receita primária, que vai levar a um novo contingenciamento", disse durante participação no XXXI Fórum Nacional, promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), no Rio. O secretário também defendeu que a situação fiscal do país tem que ser tratada como de fato é, com um déficit esperado para 2020, 2021 e 2022.

Rodrigues disse ainda que a Eletrobras é um dos ativos mais importantes que o governo trabalha hoje para privatizar e voltou a dizer que a receita primária estimada de R$ 12,2 bilhões com a venda da empresa, que foi retirada do orçamento por causa da incerteza em torno do processo de venda da companhia, é conversadora. "É um valor subestimado, pode ser alguns bilhões a maior, dependendo do apreçamento (pricing) do mercado a partir do modelo a ser divulgado mais a frente. R$ 12,2 bilhões é um piso vai depender do formato da engenharia financeira a ser desenhado", disse. Diante do quadro de dificuldades no crescimento econômico, a equipe econômica tem buscado alternativas para tentar dar alguma animada no nível de atividade.

Mas a restrição fiscal dificulta a atuação do governo, que avalia também que o mais importante para promover o crescimento é a aprovação da reforma da Previdência, que diminuiria o grau de incerteza de investidores, empresários e consumidores, trazendo de volta o crescimento econômico, com sustentabilidade no longo prazo. A reforma, contudo, ainda está em fase inicial de tramitação, tendo passado apenas pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, com dificuldade acima do usual.

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02