• Pontaria Novo Governo
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

02/05/2019 | Emprego em crise - O Estado de S. Paulo

Falta emprego para um em cada quatro trabalhadores no Brasil, informou o IBGE ontem. Segundo dados da Pnad Contínua, há 28,3 milhões de brasileiros nessa situação, o maior patamar já registrado na pesquisa. São desempregados, pessoas que desistiram de procurar diante da dificuldade de encontrar uma vaga, trabalhadores que fazem uma jornada semanal inferior a 40 horas e gostariam de ter uma carga horária maior, e pessoas que procuraram trabalho, mas não estavam disponíveis para começar por razões diversas, como não ter com quem deixar o filho.

No primeiro trimestre deste ano, nenhum setor da economia contratou. A falta de disposição do empresariado para abrir vagas elevou o número de desempregados para 13,4 milhões — patamar semelhante ao deu mano antes—e fez a taxa dedes empregos ubira 12,7%.

Segundo Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, o grupo de 28,3 milhões dos chamados subutilizados alcançou este patamar em razão do número de desempregados e do aumento dos desalentados, que chegaram a 4,8 milhões.

ESPERA PELA PREVIDÊNCIA

Os três primeiros meses do ano historicamente têm taxas de desemprego mais elevadas, devido à dispensa de trabalhadores temporários, do comércio e do serviço público. Mas, quando 2019 começou, as expectativas eram de melhora da atividade econômica e, consequentemente, de geração de vagas. Como o setor produtivo e os agentes do mercado condicionaram essa expansão da a tivida deà aprovação dar eformadaPr evidência, e a tramitação da proposta na Câmara está levando mais tempo doque o esperado, a confiança do empresariado foi abalada. As empresas não só continuam congelando vagas como voltaram a demitir. E, agora, seguem em compasso de espera.

— Como a aprovação da reforma deve ficar para o segundo semestre, e não se sabe que texto vai passar, os investimentos serão postergados. Com isso, melhora no mercado de trabalho, só em 2020 — afirma Maria Andréia Parente Lameira, economista do Ipea.

Ontem, afila ques e formou na feira de empregos organizada pela ONG Gerando Vidas, no Maracanã, Zona Norte do Rio, dava uma dimensão do problema. Ela começou na tarde do dia anterior.

Elizete Aguiar Vieira, de 56 anos, e o filho Bruno Aguiar Vieira, de 35, foram tentar uma das 970 vagas oferecidas. Há três anos sem emprego, ela buscava um emprego como camareira. Ele, há nove meses na mesma situação, queria oportunidade na área de serviços. Um cenário que poderia ser pior, não fosse a renda mensal de R$ 3 mil do marido.

— Fico angustiada, quero ajudar nas contas de casa. Até depressão já tive. Cheguei a mudar deca sapar anão ter que pagar aluguel. Esperava que a economia fosse melhorar este ano —comenta Elizete.

Boa parte de quem conseguiu uma ocupação no último ano recorreu à informalidade. Vendedores de quentinhas e motoristas de aplicativos de transporte se proliferaram. Como o trabalho sem carteira paga salários mais baixos, a renda média real do brasileiro, estimada em R$ 2.291 no primeiro trimestre, está estagnada há quase dois anos. Nos três primeiros meses deste ano, só as empregadas domésticas tiveram ganho na renda, reflexo do reajuste do salário mínimo.

—Acrise foi tão severa que não basta gerar vaga para quem está procurando, pois tem quem está desalentado, os que estão chegando no mercado de trabalho, os subocupados por insuficiência de horas. É um quadro que não vai mudar em um curto prazo, porque a economia precisa crescer mais e de forma sustentável para absorver todos esses grupos — diz Thiago Xavier, economista da Tendências.

A renda média real do servidor público também teve alta, de 2,2%, para R$ 3.706. Mas, segundo Azeredo, a média ficou maior porque, no início de ano, a administração pública desliga os contratados temporariamente, que geralmente têm salários mais baixos.

Após a divulgação dos dados, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar o levantamento do IBGE:

— Não vou entrar em briga com o IBGE, mas acho que a metodologia agente poderia aperfeiçoá-la, com todo respeito que agente tem como trabalho do IBGE.

Desempregado desde janeiro, após ser dispensado do cargo de atendente de telemarketing, o estudante Luciano Oliveira, de 19 anos, foi ao Maracanã em busca de uma vaga. Ele conta quete vede voltara morar co mamãe.

— Hoje, o que sobrou das minhas reservas eu uso para pagara passagem par abuscar um emprego. Está difícil. Se eu não arrumar emprego, não vou conseguir pagara faculdade—lamenta o estudante, que vai fazer o Enem este ano.

Na feira de empregos, muitas pessoas comentavam sobre as dificuldades para seguir procurando trabalho após meses sem renda.

—Peguei dinheiro emprestado, vendi engradados de cerveja, parapa garo treme vir pra cá. Não posso desistir. A condição está ruim para todos— afirma a aposentada Filomena dos Santos, de 62 anos, que busca uma vaga desde que foi demitida de um supermercado, no ano passado.

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02