• Pontaria Novo Governo
  • BOLETOS ON-LINE
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

05/04/2019 | Bolsonaro pede desculpas a partidos por ‘caneladas’ - O Globo

Em encontros com líderes partidários, Bolsonaro obteve apoio à reforma da Previdência de seis das principais siglas, mas não a garantia de que integrarão a base do governo. O presidente, que costuma associar ad versá riosà“velh apolítica ”, pediud esculpas por suas“c aneladas ”, disse oche feda Casa Civil, Onyx Lorenzo ni.

Em uma jornada que se iniciou às 8h30 e só se encerrou às 17h15, o presidente Jair Bolsonarofezontemseuprimeiro gesto para as cúpulas de seis dos principais partidos políticos do país. Além de fazer um convite para que os chefes das siglas integrem um conselho do governo, Bolsonaro se desculpoupor“suascaneladas”ao lidar com políticos.

As conversas tinham dois objetivos: conseguir votos para a reforma da Previdência e construir uma base parlamentar para o governo. O primeiro foi atingido. Todos os caciques partidários deixaram o Palácio do Planalto sinalizando que suas bancadas trabalharão pela aprovação do texto, ainda que com eventuais mudanças. A segunda meta, no entanto, mostrou-se distante. Nem mesmo o DEM, que tem três ministros, assegurou que formalizará sua entrada na base aliada.

— O que foi muito bonito hoje é que todos concordam que é o momento da gente passar por cima das nossas diferenças e do que aconteceu no período eleitoral. O presidente, com a sua humildade, se desculpou de uma canelada aqui, uma canelada acolá — disse o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

SEM COMPROMISSO

Juntos, os seis partidos cujos presidentes tiveram audiências com Bolsonaro — PRB, PSD, DEM, PP, PSDB e MDB — reúnem 196 deputados na Câmara. Outro seis dirigentes partidários serão recebidos no Planalto na próxima semana: Podemos, PR, PSL, Novo, Avante e Solidariedade. Estas bancadas, por sua vez, somam 132 deputados. Para aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional como a da Previdência, são necessários 308 dos 513 votos no plenário da Câmara.

Segundo Onyx, a ideia é que o conselho com representantes do governo e de partidos se reúna uma vez ao mês.

— O governo é humilde e não tem nenhum problema de reconhecer se errou. O objetivo é acertar —disse.

O encontro entre Bolsonaro e os dirigentes partidários se iniciou cercado de desconfiança de ambos os lados. Os presidentes das legendas chegaram para a reunião acompanhados de deputados e senadores. A estratégia era evitar uma reunião a sós com o presidente, com o receio de que fossem acusados de terem pedido cargos e verbas em troca de apoio.

Após encerrar o último encontro com o presidente do MDB, Romero Jucá, Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo na internet e disse que jamais gravaria as conversas. Um dia após o vice Hamilton Mourão declarar que o Planalto poderia oferecer às legendas cargos no Executivo, o presidente também afirmou que “caiu do cavalo” quem afirmou que este tipo de negociação aconteceria.

Embora sinalizem que apoiam a reforma da Previdência, os presidentes do PSD, Gilberto Kassab, e do PSDB, Geraldo Alckmin, deixaram o Planalto afirmando que as siglas vão manter posição independente.

Alckmin chegou até a fazer críticas a alguns pontos específicos da reforma proposta pelo governo. O ex-governador de São Paulo disse que as bancadas do PSDB na CâmaraenoSenadovotarãocontra a mudança no Benefício de Prestação Continuada (BPC) e as alterações nas regras da aposentadoria rural.

—O importante na reforma é idade mínima e tempo de transição — disse Alckmin.

O presidente nacional do DEM, o prefeito de Salvador, ACM Neto, disse que a legenda pode vir a integrar a base do governo e que o assunto será discutido na Executiva do partido. Onyx negou que tenha havido uma frustração do Planalto por nenhum dos dirigentes das siglas terem se declarado da base aliada.

Presidente do PRB, Marcos Pereira disse que pediu ao presidente que os deputados sejam atendidos com mais cuidado por membros do governo.

— Relatei três casos de ter sido mal atendido no Ministério da Educação, na Caixa Econômica e pelo próprio gabinete da Presidência.

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02