• Pontaria Novo Governo
  • Fatos & Notícias
  • BOLETOS ON-LINE
  • app do sindeprestem
  • coffee news mudou para melhor
  • sindeprestem 2018
  • CONTRIBUIÇÃO PATRONAL 2018

20/02/2019 | Ford culpa prejuízo e insegurança jurídica por fechamento de planta no ABC - Folha de S. Paulo

Em 50 minutos de reunião, o presidente da Ford para América do Sul, Lyle Watters, listou os motivos para encerramento de suas atividades em São Bernardo do Campo. A decisão foi anunciada nesta terça (19), dois meses antes da comemoração do centenário da fábrica no Brasil.

Reunido com diretores de Recursos Humanos da empresa e uma representação de trabalhadores, Watters afirmou que a montadora fechou o ano de 2018 com um prejuízo de US$ 678 milhões em toda a América do Sul.

O fechamento da planta, segundo comunicado da Ford, faz parte do plano de reestruturação global da marca, que acaba de estabelecer uma parceria com a Volkswagen para fabricação de veículos utilitários.

Em comunicado, a montadora afirma que vai deixar o mercado de caminhões na América do Sul. A Ford prevê um impacto de aproximadamente US$ 460 milhões (R$ 1,71 bilhão) em despesas não recorrentes como consequência dessa ação.

O coordenador-geral da representação dos funcionários da montadora, José Quixabeira, o “Paraíba", estava na reunião e conta que Watters apontou a indefinição de regras como empecilho para busca de investimentos para adaptação de caminhões ao Euro 6 —nova etapa do programa brasileiro de controle de emissões de poluentes para veículos comerciais pesados.

Na reunião, o presidente da Ford disse que tentou vender a fábrica para uma empresa turca,  mas não teve sucesso.

Outra razão foi a queda da produção do New Fiesta, modelo fabricado em São Bernardo do Campo. A previsão para este ano é de 16.700 carros, cerca de 15% da produção de 2013.

Ainda segundo Quixabeira, Watters afirmou que a fábrica de Camaçari também opera com dificuldades já que as locadoras de veículos são as principais compradoras do Ford K. E a negociação reduz a margem de lucro da fábrica.

Às 14h50, encerrada a reunião, Watters informou que divulgaria um comunicado trinta minutos depois.

Quixabeira pediu que a empresa concedesse pelo menos uma hora a mais para que os trabalhadores fossem informados. Watters deu mais dez minutos.

O sindicalista reuniu os metalúrgicos para anunciar a decisão. “Virou terra arrasada. Todo mundo com cara de derrota”, disse Quixabeira, que anunciou a decisão.

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, a unidade emprega 2.800 trabalhadores diretos, além de terceirizados não quantificados. 

A Prefeitura de São Bernardo do Campo calcula que 2.000 famílias são afetadas indiretamente pela decisão.

Segundo ele, a notícia surpreendeu até porque os trabalhadores vinham contribuindo com planos internos, como o Programa de Demissão Voluntária. Há 32 anos na fábrica, Quixabeira lamenta a sorte dos jovens. “Posso me aposentar. Mas e os meninos?”, diz.

Por volta das 18h, os pátios da fábrica estavam vazios e quase já não havia movimentação de trabalhadores. Os poucos que ainda estavam no local se recusaram a falar com a reportagem da Folha —disseram ser terceirizados e que preferiam não comentar a decisão.

A maior parte dos empregados deixou a fábrica após o anúncio da decisão, por volta das 16h, seguindo orientação do sindicato dos metalúrgicos. Agora, as lideranças sindicais devem se reunir para definir quais estratégias adotar até a próxima terça-feira (26). Uma assembleia está marcada para a data, às 6h30, na porta da fábrica da Ford.

Segundo Paulo Cayres, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos e funcionário da Ford, a notícia de que a planta de caminhões será fechada foi inesperada. "Essa é a pior notícia que poderíamos receber", disse. 

HISTÓRIA

Essa não é a primeira vez que a Ford fecha unidades no Brasil. No governo Collor, a montadora encerrou as atividades da montadora de tratores.

Então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Vicente Paulo da Silva, o “Vicentinho", lembra que viajou aos Estados Unidos como representante dos trabalhadores. Daí nasceu uma câmara setorial para garantir a permanência das montadoras no Brasil.

A história da Ford se confunde com a trajetória do movimento sindical brasileiro, como as greves de 1978 e 1979. Em 1990, a montadora foi palco do movimento dos golas vermelhas, alusão ao uniforme dos trabalhadores da manutenção.

Funcionário da Ford desde 1987, o sindicalista João Cayres lembra que 900 empregados da manutenção entraram em greve enquanto os demais trabalhadores permaneciam em atividade. No final do mês, cada trabalhador doava um dia de salário para sustentar os grevistas. Só que a montadora decidiu suspender também o pagamento dos não-grevistas, que iniciaram um quebra-quebra dentro da fábrica. "Tenho até hoje a camisa com a gola vermelha. Com com o símbolo da Autolatina [aliança entre Ford e Volkswagen na década de 1990]”, lembra. 

Em dezembro 1998, às vésperas do Natal, 2.800 operários receberam a notícia de que perderiam seus empregos em razão do declínio na produção da fábrica de São Bernardo.

Paulo Cayres, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos e funcionário da Ford desde 1990, relembra o episódio. Segundo ele, a atuação do sindicato foi o que impediu que tantos trabalhadores fossem demitidos. “Na década de 1990 os sindicatos do ABC assumiram uma postura muito propositiva e de negociação”, afirma ele.

Fatos e Notícias

Home Logo01
Home Logo02
Home Logo03
Home Logo04
Catho
Up Plan Logo 02